ISSN: 1647-2829

Revista Online da Sociedade Portuguesa de Ecologia

Home

ÂmbitoCorpo Editorial

Normas para Publicação

Próximas Edições

Arquivo

Contactos

N.º 7

Jan. - Abr. 2014

Versão Integral (pdf)


Teses e Projectos


Biodiversidade, endemismos e espécies protegidas associadas às lagoas e cursos de água da Serra da Estrela: valorização de um século de aproveitamento hidroeléctrico

Projecto

 

Mário Boieiro 1,2, Carlos A.S. Aguiar 1, Sandra Antunes 1,3, António Bivar de Sousa 4, Paulo A.V. Borges 2,

Pedro Cardoso 2,5, José Conde 6, Hugo Figueiredo 6, Patrícia Garcia-Pereira 3, Eva Monteiro 3,

Carla Rego 2,4 Albano Soares 3 & Artur R.M. Serrano 1,i

 

1 Centro de Biologia Ambiental (CBA), Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

2 Grupo da Biodiversidade dos Açores (GBA), Universidade dos Açores

3 Tagis – Centro de Conservação das Borboletas de Portugal

4 Sociedade Portuguesa de Entomologia (SPEN)

5 Finnish Museum of Natural History, University of Helsinki, Helsinki, Finland

6 Centro de Interpretação da Serra da Estrela (CISE)

 

i aserrano@fc.ul.pt; responsável pelo projecto


 

A Serra da Estrela constitui um dos espaços naturais mais emblemáticos do nosso país, apresentando um dos mais ricos Patrimónios Naturais a nível nacional, razão que motivou a criação do Parque Natural da Serra da Estrela (PNSE). Actualmente é conhecida a ocorrência de mais de 2500 espécies de invertebrados no PNSE, sendo algumas delas endémicas da Serra da Estrela, ou que em Portugal apenas são conhecidas desta área. O considerável número de cursos de água e de lagoas distribuídas ao longo do gradiente altitudinal, algumas das quais integram o secular sistema electroprodutor da Serra da Estrela (conhecido como a “cascata da Estrela”), proporciona a ocorrência de uma rica diversidade de organismos aquáticos. Porém, a maioria destas espécies é ainda pouco conhecida pelo que é urgente a obtenção de dados básicos sobre a sua biologia, distribuição e abundância e sobre as características dos habitats em que ocorrem para que as entidades responsáveis possam fazer a gestão efectiva das suas populações com base num conhecimento científico sólido.

 

Os principais objectivos deste projecto são:

  1. conhecer e valorizar a biodiversidade de macroinvertebrados associada a alguns cursos de água e lagoas naturais e artificializadas existentes na Serra da Estrela;

  2. avaliar o estado ecológico de várias lagoas naturais ou artificializadas existentes na Serra da Estrela, através do estudo de grupos bioindicadores, e aferir a sua importância para a conservação da natureza;

  3. avaliar as diferenças na composição taxonómica e funcional das comunidades de macroinvertebrados entre lagoas naturais e artificializadas e em função das suas características biofísicas e bioquímicas;

  4. aprofundar o conhecimento científico sobre a distribuição, abundância e ecologia das espécies de alguns grupos de artrópodes terrestres da Serra da Estrela, em especial das espécies endémicas, raras ou protegidas por lei;

  5. incentivar a participação da comunidade científica e das populações locais na conservação dos ecossistemas naturais e da sua biodiversidade, destacando a fauna singular dos cursos de água e lagoas da Serra da Estrela.

A metodologia adoptada neste projecto consiste na:

  1. sistematização do conhecimento sobre a biodiversidade de alguns grupos de artrópodes terrestres da Serra da Estrela, através da recolha e análise bibliográfica e do contacto com especialistas nacionais e estrangeiros;

  2. utilização de técnicas de amostragem complementares (observação ao longo de transectos, amostragem com pitfall e com redes de arrasto) para obtenção de informação sobre distribuição e abundância de espécies de diferentes grupos de artrópodes terrestres, que ocorrem nos cursos de água e nas lagoas da Serra da Estrela, e utilizam o ambiente aquático de modo distinto (Fig. 1);

  3. divulgação e valorização da biodiversidade da Serra da Estrela através de um conjunto de iniciativas e da elaboração de documentação de divulgação científica, a par do envolvimento das autoridades locais e da população no conhecimento e protecção da biodiversidade da Serra da Estrela.

 

Figura 1. Trabalhos de amostragem de macroinvertebrados e duas das áreas de estudo:

a) Lagoa Seca, uma lagoa natural. © J. Conde;

b) albufeira da barragem do Covão do Meio. © J. Conde;

c) montagem de armadilhas de queda (pitfall). © J. Conde;

d) recolha de macroinvertebrados aquáticos com rede de arrasto. © M. Boieiro.

 

Numa fase inicial do desenvolvimento do projecto foi realizado um esforço de sistematização do conhecimento da riqueza específica de vários grupos de artrópodes, no qual colaboraram especialistas nacionais e estrangeiros. Esta informação virá a integrar a base de dados da biodiversidade da Serra da Estrela coordenada pelo Centro de Interpretação da Serra da Estrela e disponibilizada online em http://www.cise.pt/.

 

Em resultado dos trabalhos de amostragem realizados em 2013, em 36 áreas de estudo, foram identificadas 27 espécies de libélulas e libelinhas (Odonata) e 68 espécies de borboletas diurnas (Lepidoptera, Rhopalocera), sendo alguns destes registos novidades para a fauna regional. Os trabalhos de identificação específica de outros grupos de artrópodes encontram-se ainda a decorrer. Paralelamente aos trabalhos de investigação científica, os elementos da equipa estão a preparar alguns documentos de divulgação que integrarão uma exposição relativa à biodiversidade das lagoas do planalto superior da Serra da Estrela. Pretende-se que a informação recolhida no âmbito deste projecto seja utilizada para promover o conhecimento e a conservação dos organismos invertebrados de Portugal.

 

 

Figura 2. Algumas das espécies de insectos mais emblemáticas da Serra da Estrela:

a) Sympetrum flaveolum, uma libélula que em Portugal é apenas conhecida na Serra da Estrela. © J. Conde;

b) Carabus lineatus, escaravelho com uma distribuição muito localizada em Portugal. © A. Serrano;

c) Euphydrias aurinia, uma borboleta protegida por lei. © J. Conde;

d) uma ninfa de um insecto aquático (efémera). © J. Conde.

 

 

Financiamento

 

Projecto financiado pela EDP – Energias de Portugal no âmbito do Fundo EDP para a Biodiversidade 2011

 

 

Mais informação

 

http://www.cise.pt/pt/index.php/projetos/investigacao/biodiversidade-associada-as-lagoas-da-se

Ver o Artigo em PDF 


Copyright © 2014 SPECO. Todos os direitos reservados

Edição Apoio